Trabalho de formiguinha

texto ◘ Giovana Girardi

Pesquisadores de Rio Claro cultivam saúvas e lavapés para descobrir a melhor forma de controlar as pragas do campo e da cidade. Nesse meio tempo, precisam atuar como babás dos insetos

Na entrada do Centro de Estudos de Insetos Sociais (Ceis), quem dá as boas-vindas são as saúvas, que se movimentam de um lado para o outro no meio fio, sempre carregando folhas bem maiores que elas. Em todo o câmpus de Rio Claro, a espécie vive sob controle para não destruir os jardins, mas, à frente do prédio que abriga o laboratório de formigas, elas não deixam dúvida de quem é a estrela do local.

Do lado de dentro, pesquisadores programam suas vidas em função dos formigueiros criados em laboratório. Não importa se é final de semana, feriado. Sempre tem de ter alguém de prontidão para dar comida e limpar as colônias. Parece irônico, portanto, que o principal objetivo do grupo seja o oposto de tanto cuidado – descobrir a melhor forma de controlar a praga cortadeira que ameaça a agricultura.

Esse desafio surgiu há 25 anos, quando os inseticidas mais comumente usados para o combate ao inseto – os organoclorados – foram proibidos. Atendendo à demanda, pesquisadores da Unesp liderados pelo biólogo Odair Corrêa Bueno começaram a buscar em produtos naturais um possível substituto às substâncias tradicionais. Mas as formigas são espertas, aprendem logo a evitar o que lhes faz mal, e os pesquisadores perceberam que só conseguiriam combatê-las se tivessem um conhecimento muito profundo de como elas funcionam.

 

Reprodução em cativeiro
Formigueiro principal do laboratório tem dezenas de panelas e atingiu estágio de equilíbrio, o que permitiu a produção de indivíduos férteis e quatro revoadas

 

“Começamos a investigar a biologia básica: morfologia, fisiologia, ciclo de vida, reprodução, depois analisamos como o alimento circula na colônia. Quando as formigas estão em equilíbrio na natureza, elas só cortam algumas plantas. Queríamos saber quais eram as escolhidas. Algumas têm cheiros que elas não gostam. Isso norteia a busca por substâncias que possam ser usadas para controle. A partir disso podemos chegar com uma ‘bomba’”, diz.

Segundo ele, a grande falha em muitos produtos contra pragas é que eles tentam matar rapidamente o maior número de indivíduos. “Mas o objetivo sempre tem de ser o de controlar a colônia. Se as formigas morrem antes de chegar ao formigueiro, não levam o produto para dentro e isso não resolve o problema.” O estudo do comportamento ocorre em paralelo com a investigação dessas substâncias por um grupo de químicos da UFSCar coordenados por Maria Fátima da Silva. Eles preparam os extratos vegetais a partir das informações que vêm de Rio Claro, e esse material depois é testado nas formigas.

O trabalho já rendeu o desenvolvimento de pelo menos quatro novos produtos – um para as cortadeiras e três para as formigas que infestam o ambiente urbano, outro alvo dos pesquisadores – que estão entrando em fase de comercialização.

O coração do laboratório é uma sala climatizada onde vive o principal formigueiro – um conjunto de cerca de 40 “panelas” ou câmeras que abrigam de 1,5 milhão a 2 milhões de saúvas-limão (Atta sexdens rubropilosa), fora a rainha e o mesmo número de larvas em seu interior, segundo estimativas de Bueno. “Procuramos reproduzir o que acontece no campo. Os formigueiros naturais são distribuídos em diferentes andares e profundidades, e são divididos em milhares de panelas”, diz.

 

Televisão de insetos
Na foto 1, sistema de microcâmeras com lente de aumento de 25 vezes registra o que ocorre no formigueiro; fotos 2 e 3, vibrômetro a laser capta a “conversa” dos insetos

 

A diferença das colegas que ficam do lado de fora do prédio é que as formigas do laboratório não cortam nenhum jardim. Diariamente os pesquisadores oferecem folhas, frutas, sementes que elas levam para dentro da colônia. O material é usado como substrato do seu verdadeiro alimento: um fungo que vive em mutualismo há milhares de anos com as formigas.

O ninho, cultivado desde 1999, atingiu um estágio máximo de crescimento e equilíbrio. “A gente conseguiu uma otimização tal, com temperatura permanente a 24 °C, umidade alta, alimentação constante, que foi possível obter a reprodução inédita da saúva em laboratório”, conta Bueno. Ou seja, o formigueiro produziu indivíduos férteis – as içás e os bitus – que saíram em revoada para o vôo nupcial, produzindo novas rainhas que formaram seus próprios formigueiros fora do laboratório.

O aparecimento dos alados só ocorre em uma situação de dieta rica. As castas se diferenciam de acordo com a quantidade de comida que a larva recebe. Pouco alimento leva a uma formiga pequena (as que ficam alimentando as crias), um pouco mais gera uma operária que vai cortar as folhas, mais ainda gera uma ainda maior, com função de defesa (soldado). Uma superalimentação vai desenvolver alados machos e fêmeas.

“Para dominar um organismo é preciso cultivá-lo em laboratório”, afirma Bueno. As formigas ali criadas servem não apenas para se descobrir o tipo de alimento que elas preferem, mas também como cobaias para todos os testes in vivo dos extratos.

A expectativa é que esse sauveiro dure de 14 a 16 anos, tempo médio de vida da rainha. Para evitar que as pesquisas fiquem sem matéria-prima caso o formigueiro morra de uma hora para outra, a equipe mantém mais de uma centena de outras colônias menores, limitadas em espaço e alimentação, que podem ser transplantadas para a sala maior a qualquer momento.

É também nessas pequenas sociedades que os extratos, uma vez que se mostrem eficazes nos indivíduos, são oferecidos como iscas para se checar o efeito sobre a colônia. Somente depois de aprovado ali é que o inseticida é experimentado em campo, em áreas de reflorestamento de eucalipto cultivadas pela Universidade Federal de Lavras (MG).

Big Brother de formiga
Nos formigueiros menores é feito o trabalho de observação do comportamento. Alunos de iniciação científica e pós passam horas assistindo a vídeos gravados em um sistema de microcâmeras com lentes de aumento de 25 vezes que registra tudo o que se passa dentro da colônia.
Foi assim que os pesquisadores puderam entender, por exemplo, como as diferentes espécies de saúvas que ocorrem no Estado de São Paulo preparam o material vegetal para cultivar o fungo. E como é o comportamento alimentar dentro da sociedade. Eles veem em detalhes como as formigas alimentam as larvas, levando pequenas bolinhas de fungo até a boca delas.

“Nossa última filmagem foi sobre como o nosso produto atua no ninho. Observamos como vai alterando o comportamento dos insetos”, afirma Bueno sobre a parte realmente mais difícil da pesquisa, que já rendeu muito choro da equipe. “Quando as formigas percebem que a colônia está morrendo, há um desespero. A gente vê a agonia. Para quem conhece os detalhes da vida delas, acaba sendo um trabalho meio duro”, reconhece. “Mas é a única forma de controlar a praga no campo.”

Ainda com esse objetivo, a nova linha de investigação do grupo é tentar decifrar a comunicação das saúvas – que vai além das informações químicas dos feromônios. “Já vimos caso em que algumas formigas são mortas na base de uma árvore e as que estão no topo ficam imediatamente agitadas. A gente supõe que haja uma comunicação por vibração que elas percebem por pelos e cerdas”, explica Bueno.

 

Zoom na defesa
Saúva-limão mostra sua mandíbula que corta como uma navalha folhas e pele

 

Para medir essa “conversa” das formigas, o grupo ganhou recentemente um vibrômetro. O pós-doc Eduardo Arrivabeni Diniz está medindo com um feixe de laser as vibrações emitidas pelos indivíduos em momento de estresse – uma operária presa com fita crepe, por exemplo. “É como se ela estivesse sendo atacada e pedindo ajuda”, calcula Diniz. “Cada espécie tem um padrão de som de socorro. Assim como cada casta do formigueiro. A cortadeira, a que cuida da cria… cada uma faz uma vibração. Queremos descobrir como é a transmissão de uma para outra.”

Outro foco de pesquisa é o jardim de fungos. “Buscamos um produto que além de formicida seja também fungicida. A ideia é destruir a principal fonte de alimento da saúva, facilitando seu controle”, explica o microbiólogo Fernando Pagnocca, que aplica nos fungos os mesmos extratos que Bueno testa nas formigas. Segundo ele, algumas substâncias já se mostraram eficazes contra os dois alvos separadamente, mas ainda não foram avaliados em campo.

A partir desse trabalho, ele passou a investigar quais outros microorganismos vivem na colônia. Isolou novas variedades e talvez até mesmo novas espécies de um tipo de bactéria associado à produção de antibióticos. “Aparentemente elas ajudam as formigas a se defenderem de outros microorganismos. Se conhecermos os inimigos naturais dos insetos, isso pode ajudar no seu combate”, afirma.

Praga urbana
Também coabitam o laboratório outras formigas menos exuberantes, mas tão problemáticas quanto as cortadeiras. São espécies presentes nas cidades, como a “faraó” (Monomorium pharaonis), a “fantasma” (Tapinoma melanocephalum) e a lavapés (Solenopsis saevissima). Enquanto as duas primeiras são o tormento de quem deixa um pouco de açúcar sobre a pia e são uma praga hospitalar, carregando bactérias e infecções para onde vão, a terceira é aquela venenosa, e com ferrão, cuja picada produz uma reação alérgica semelhante à causada por vespas e abelhas.

De acordo com levantamento feito por Osmar Malaspina e Mario Palma, também do Ceis, um terço dos acidentados que chegam ao HC de São Paulo achando que foram feridos por abelha foram, na verdade, vítimas de lavapés. A dupla tenta desenvolver um antídoto para esse veneno.
Bueno também cultiva formigueiros das urbanas para testar substâncias de controle. Esses insetos têm modelos de vida bem mais simplificados, não cultivam fungo e dependem da alimentação deixada pelo homem. “As formigas urbanas não constroem ninhos, uma colônia pode ter várias rainhas, elas se instalam em qualquer lugar e estão sempre se mudando”, afirma.

 

Bioensaios
Operárias recebem dieta artificial por 25 dias para testar os extratos

 

As pesquisas do grupo mostram que quanto mais tempo o inseticida leva para começar a agir, maior é a distribuição na colônia. É assim que funciona o gel Formitap, que o grupo desenvolveu, uma incubadora da universidade produz e a Syngenta está comercializando. “Sabemos que essa demora não bate com a expectativa de um produto comercial, então tentamos conscientizar as pessoas a partir da educação”, diz Bueno. Seu laboratório, em parceria com o Instituto Biológico de São Paulo, oferece um curso de especialização em entomologia urbana voltado para profissionais de controle de pragas.

Enquanto seu método não se populariza, Bueno segue observando suas diminutas companheiras. Não sem de vez em quando tomar uma mordida de um soldado, como ocorreu quando o visitávamos. “Parece até navalha onde ela bate”, queixou-se. Pequena vingança pelas colegas exterminadas.

___________________

 

Deixe uma resposta

*