Entre a aquarela e a gravura

texto Oscar D’Ambrosio

Fazer aquarelas como gravuras e vice-versa coloca a arte de Norberto Stori em uma posição muito especial na produção plástica contemporânea. Ao se debruçar com aguadas de pigmento sobre o papel, por exemplo, não hesita em usar estilete e goiva para abrir brancos, depois pintados para a construção de enigmáticas cidades.

Já quando concebe gravuras em metal, emprega a técnica do spit-bite, processo pictórico em que, com o uso da saliva como elemento aglutinante, atinge manchas coloridas que dão o efeito de aguadas para a tinta nanquim ou aquarela, com passagens de cor fluindo com delicadeza.

 

 

Nascido em São Joaquim da Barra (SP) em 1946, formado em Desenho e Plástica pela Faculdade de Comunicações e Artes da Fundação Armando Álvares Penteado, mestre e doutor em Comunicação e Artes pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e livre-docente pelo Instituto de Artes da Unesp, câmpus da Barra Funda, Stori mescla as atividades de docência com uma intensa produção artística.

Após uma infância em que a presença do desenho sempre foi uma constante, desenvolveu, de maneira autodidata, séries gráficas em que a tinta nanquim a bico-de-pena era a forma encontrada de criar grafismos soltos e nervosos em que predominavam as ondulações. As silhuetas de cidades, reconhecíveis à primeira vista, dialogavam com raízes e galhos oriundos da natureza nas mais variadas escalas.

 

 

Retângulos, grades, silhuetas e horizontes urbanos constituíam um todo denso. Estava ali o artista plástico que mostrava sua disposição em não se acomodar com recursos técnicos ou suportes, buscando novos caminhos. Linhas retas verticais e horizontais, evocadoras do geometrismo da cidade grande, se faziam presentes no estabelecimento de um caos orgânico que obrigava à reflexão sobre as urbes.

Norberto Stori mistura as duas técnicas em busca de novos desafios para elaborar cidades enigmáticas

Uma guinada significativa e essencial ocorreu durante o 1º Encontro Nacional de Artistas Plásticos, em Bagé (RS), em 1976. O contato com a paisagem dos pampas gaúchos, durante sua permanência na Fazenda Cabanha do Portão, levou Stori a uma revolução estética de sua pesquisa visual.

Junto a artistas do porte de Carlos Scliar, Danúbio Gonçalves, Glênio Banchetti e Glauco Rodrigues, criou seu próprio diário de campo, repleto de imagens de elementos naturais, como o sol, a lua, o amanhecer e o entardecer. Com o uso da aquarela, apareceram as cores mais quentes. Róseos e amarelos ganharam destaque ao retratar os pampas gaúchos. Assim como os verdes de imensas pradarias, nuvens plúmbeas e arco-íris incompletos, em um encontro silencioso e mágico entre céus e terras com pouca ou nenhuma vegetação.

 

 

Surgia assim a necessidade imperiosa de pintar in loco e realizar anotações nos locais visitados e fotografados. Com esse espírito, são feitas viagens pelo Norte, Nordeste, interior de Santa Catarina e Rio Grande do Sul e litoral paulista. Progressivamente, gestos e cores vibram de maneira mais livre e com maior intensidade.

É instaurada, desse modo, uma poética que se distingue por uma especial magia. O traço ganha movimento, e as cores se entrelaçam com uma técnica cada vez mais solta, menos compromissada com a representação do mundo tangível e mais com a apresentação de um sentimento espontâneo de fazer artístico, repleto de intensas explosões de cor.

A pesquisa o leva a explorar formatos diferenciados, como pequenas dimensões, de 3 cm x 2,5 cm, ou grandes proporções, como 103 cm x 153 cm. Neste caso, usa o branco da folha de aquarela como recurso estético. Também passa a usar o papel colorido como suporte, com numerosos efeitos de luz e reflexo.

Se, na gravura, o spit-bite permite a utilização de manchas sem recortes ou com bordas em degradê, além da sobreposição de cores e transparências próprias da aquarela, numa fluidez contagiante, na aquarela, a construção de cidades em relevo com os brancos abertos com corajosas inserções revelam como o gravador conversa com o aquarelista.

 

 

Com um currículo que inclui exposições individuais, no Brasil e na Itália, e coletivas, na Grécia, Alemanha, México, Itália, Estados Unidos, Espanha e Portugal, o artista tem seus trabalhos em importantes instituições como o Museu de Arte Contemporânea (MAC) e o Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo, além de estar em coleções particulares no Brasil e no exterior.

Norberto Stori, no ateliê no 22º andar de um edifício ao lado da Praça Roosevelt, centro de São Paulo, não tem medo da crítica. Persistente e inconformado com os próprios resultados, não vê a aquarela ou a gravura como universos fechados da criação. Encontra em cada técnica um repertório a ser ampliado e desvendado. Persegue novos desafios para elaborar crepúsculos inconfundíveis e muito pessoais, marca de quem se lança em aventuras estéticas possíveis de serem atingidas com sucesso apenas por quem alia à pesquisa constante o conhecimento técnico e uma boa dose de intuição e sensibilidade.

___________________

 

Deixe uma resposta

*