Estudos estruturais com toxinas de venenos de serpentes

Proteínas podem ser alvo de interesse biotecnológico

Os acidentes ofídicos, assim como a leishmaniose, a doença de Chagas, a febre amarela, entre outras, são doenças classificadas pela Organização Mundial da Saúde como Doenças Tropicais Negligenciadas – um grupo de doenças que acometem principalmente países tropicais em desenvolvimento. Apesar do grande número de vítimas acometidas todos os anos, essas doenças não despertam o interesse da indústria farmacêutica para desenvolvimento de novos fármacos por conta das vítimas estarem afastadas dos grandes mercados consumidores. Os acidentes ofídicos, por exemplo, atingem cerca de 1 milhão de vítimas por ano no mundo, com cerca de 300 mil mortes.

No Brasil, o número de vítimas por acidentes ofídicos chega a 20 mil por ano, mas o número de mortes é relativamente baixo (150) por conta das características dos venenos das serpentes brasileiras. Em nosso país, quase 85% dos acidentes ofídicos são causados por serpentes do gênero Bothrops, grupo de espécies que compreende as serpentes popularmente conhecidas como jararacas, jararacuçus, caiçacas e urutus. Os acidentes causados por serpentes do gênero Bothrops não induzem à mortalidade (apenas 0,4 % dos casos), mas elevada morbidade por conta de que o acidente botrópico é caracterizado por uma drástica mionecrose (morte do tecido muscular) no local da picada que não é eficientemente neutralizada pela soroterapia convencional, podendo ter como consequência, por exemplo, a amputação do membro que foi alvo da picada.

Outro gênero importante em relação aos acidentes ofídicos brasileiros são as serpentes do gênero Crotalus, popularmente conhecidas como cascavéis, que são responsáveis por cerca de 10% dos acidentes no Brasil, com uma letalidade mais elevada (2,5% dos casos) por conta de sua atividade neurotóxica que provoca parada cardiorrespiratória e falência múltipla dos rins.

Nos últimos anos, o nosso laboratório, o Laboratório de Biofísica Molecular Estrutural (LBME) do Departamento de Física e Biofísica do Instituto de Biociências de Botucatu – Unesp vem se dedicando a conhecer a estrutura das principais toxinas envolvidas com os efeitos miotóxicos e neurotóxicos de serpentes brasileiras com o objetivo de desvendar o mecanismo de ação destas proteínas e de desenvolver inibidores que possam ser complementares à soroterapia.

Além disso, essas proteínas podem ser alvo de interesse biotecnológico para servirem de base para a fabricação de fármacos e produtos de interesse biotecnológico, como por exemplo o hipotensor captopril, desenvolvido a partir de uma toxina isolada do veneno de Bothrops jararaca e, mais recentemente, a cola de fibrina utilizada como adesivo cirúrgico preparada a partir de uma toxina isolada do veneno de Crotalus durissus terrificus.

As PLA2-like do veneno das jararacas
Uma das principais toxinas do veneno das serpentes do gênero Bothrops (jararacas, jararacuçus, caiçacas e urutus) são as fosfolipases A2, enzimas especializadas em romper fosfolipídios e liberar ácidos graxos e lisofosfolipídios. Uma categoria dessas fosfolipases A2 extremamente abundante no veneno destas serpentes são as proteínas fosfolipases A2-like, estruturalmente muito semelhantes às fosfolipases A2 convencionais, mas que perderam a sua atividade enzimática. Apesar disso, elas ainda são capazes de realizar profundos danos à membrana muscular por um mecanismo diferente das demais fosfolipases A2 que era muito pouco compreendido pela comunidade científica. Iniciamos os nosso estudos com essas proteínas na tentativa de responder à questão de como era o mecanismo de ação destas toxinas fosfolipases A2-like.

Sendo a estrutura de uma proteína estritamente ligada à sua função, o conhecimento de sua estrutura tridimensional é vital para o entendimento do seu mecanismo de ação. Para isto, utilizamos a técnica de cristalografia de proteínas, que é a técnica biofísica mais utilizada para se determinar a estrutura tridimensional de uma proteína. Estima-se que 90% de todas as proteínas de estrutura conhecida foram determinadas por esta técnica.

 

Cruzeira (Bothrops alternatus) no Rio Grande do Sul, Brasil, janeiro de 2010. (© Cláudio Timm/Wikipedia)

 

Para estudarmos as proteínas de interesse (no caso as fosfolipases A2-like) de diversas espécies do gênero Bothrops, estas são isoladas por técnicas de cromatografia líquida. Subsequentemente, iniciamos os experimentos de cristalização para obter cristais para os experimentos de difração de raios X que permite analisar a estrutura tridimensional de diversas toxinas fosfolipases A2-like e do veneno de serpentes do gênero Bothrops e, deste modo, realizar uma proposta para o mecanismo de ação dessas proteínas. Este mecanismo de ação consiste em três etapas com duas regiões independentes de interação com a membrana muscular (Fig.1):

i) Entrada de um ácido graxo (proveniente da ação enzimática de uma fosfolipase A2 convencional) no interior da estrutura da fosfolipase A2-like que leva a uma mudança conformacional em sua estrutura tridimensional, ativando-a;

ii) Ligação da toxina à membrana alvo através do sítio de ligação à membrana (MDoS) através de aminoácidos catiônicos (lisinas e argininas);

iii) Perfuração da membrana alvo através do sítio de rompimento da membrana (MDiS) através de aminoácidos hidrofóbicos (leucinas e fenilalaninas).

Após esta proposição para o mecanismo de ação dessas proteínas, iniciamos novos estudos com o intuito de gerar informações para o desenho de inibidores que poderiam ser utilizados como complementares à soroterapia para prevenção e tratamento da mionecrose local causada por essas toxinas. Na literatura, há descritos inúmeros relatos de plantas medicinais utilizadas por diversas comunidades tradicionais e indígenas no mundo todo para o tratamento de acidentes ofídicos.

 

FIGURA 1: Mecanismo de ação das toxinas fosfolipases A2-like de venenos de serpentes do gênero Bothrops (jararacas, jararacuçus, caiçacas e urutus).

 

Dentre os compostos químicos mais abundantes nestas plantas estão os derivados da família dos ácidos cinâmicos. Então, iniciamos alguns testes farmacológicos em camundongos e observamos que vários desses compostos de fato eram capazes de inibir a morte do tecido muscular provocada pelas toxinas fosfolipases A2-like do veneno de serpentes do gênero Bothrops.

Sendo a estrutura de uma proteína estritamente ligada à sua função, o conhecimento de sua estrutura tridimensional é vital para o entendimento do seu mecanismo de ação

Posteriormente, cristalizamos diferentes fosfolipases A2-like complexadas com estas moléculas e, através da determinação da estrutura destes complexos, fomos capazes de indicar três diferentes modos de inibição dessas toxinas causados por três diferentes
moléculas (Fig.2):

i) Bloqueio da entrada do canal que leva ao interior da estrutura da toxina pelo ácido rosmarínico, impedindo a ativação da proteína;

ii) Bloqueio do acesso do sítio de ligação à membrana (MDoS) à membrana alvo pela ligação do ácido cafeico aos aminoácidos lisina e arginina que compõem esse sítio;

iii) Bloqueio do acesso do sítio de rompimento da membrana (MDiS) à membrana alvo pela ligação do ácido aristolóquico ao aminoácido leucina que é um dos constituintes deste sítio;

As informações geradas pela determinação da estrutura de diferentes toxinas fosfolipases A2-like do veneno de serpentes do gênero Bothrops complexadas a estas moléculas geraram importantes informações para o futuro desenho de novas moléculas, utilizando os derivados de ácido cinâmico acima relatados como ponto de partida, para posteriores testes farmacológicos e clínicos para desenvolvimento de novos fármacos que poderão ser utilizados como complementares à soroterapia.

 

FIGURA 2: Comparação estrutural entre os modelos tridimensionais da crotoxina cristalográfico e obtido por espalhamento de raio X a baixo ângulo (SAXS). (A) Modelo estrutural da crotoxina obtido pela técnica de cristalografia de proteínas apresentado por um grupo francês em 2011 aonde alguns triptofanos (bastões verdes) estão expostos ao solvente e as regiões N (em azul) e C-terminal (em laranja), assim como o sítio ativo (bastões verdes), de CB (em amarelo) estão escondidos na interface com CA (cadeias azul, verde e rosa). (B) Modelo estrutural da crotoxina obtido pela técnica de SAXS aonde os triptofanos estão escondidos na interface CA/CB e a região N-terminal de CB (em azul) está exposta ao solvente.

A crotoxina do veneno das cascavéis
O acidente ofídico causado pelas serpentes do gênero Crotalus, popularmente conhecidas como cascavéis, é caracterizado por uma potente ação neurotóxica que pode levar à parada cardiorrespiratória e à falência dos rins, provocando, em alguns casos, a morte da vítima. A principal toxina responsável por esses efeitos é a crotoxina, que constitui cerca de 60% do veneno desses animais. A crotoxina é formada por duas diferentes subunidades, a crotoxina A (CA) e a crotoxina B (CB). Enquanto a CA é formada por três cadeias polipeptídicas e não apresenta nenhuma atividade tóxica, CB é uma fosfolipase A2 com potente atividade neurotóxica. Entretanto, na ausência de CA, CB tem a sua atividade diminuída; sendo CA apontada como um carreador de CB até a membrana alvo. A crotoxina foi a primeira toxina animal a ser cristalizada; assim como foi a primeira proteína cristalizada no Brasil, em 1938, no Instituto Butantan. Entretanto, a sua estrutura tridimensional, assim como a de suas subunidades só foram capazes de ser elucidadas muito recentemente.

 

Cascavel-de-manchas-gêmeo (Crotalus pricei) no topo de uma rocha. (© Adogslifephoto/Depositphotos)

 

Em 2009, o nosso grupo de pesquisa cristalizou e resolveu a estrutura da CB isolada de CA, apresentando CB como um tetrâmero, ou seja, como um conjunto proteico formado por 4 moléculas de CB. Posteriormente, em 2011, um grupo de cientistas do Instituto Pasteur na França cristalizou e obteve a estrutura do complexo crotoxina, formado por uma molécula de CA e uma molécula de CB, sendo portanto um heterodímero. Apesar dessas estruturas elucidadas, o mecanismo de ação da crotoxina ainda não fora completamente entendido. Resolvemos, então, utilizar outras técnicas experimentais para o estudo de estrutura de proteínas, além da já mencionada cristalografia de proteínas.

Na literatura havia apontamentos de que três regiões de CB poderiam estar envolvidas com a expressão de sua atividade tóxica: a porção N-terminal, a porção Cterminal e o seu sítio ativo. Entretanto, no modelo cristalográfico apresentado pelo grupo francês, estas três regiões encontravam-se escondidas na interface entre CA e CB.

Dados geraram inéditas e relevantes informações acerca do mecanismo de ação da crotoxina, que era muito pouco entendido pela comunidade científica

Além disso, utilizando a técnica de espectroscopia de fluorescência, observamos que todos os aminoácidos triptofano deveriam estar escondidos nessa interface, enquanto no modelo cristalográfico proposto quase todos estavam totalmente ou parcialmente expostos ao solvente. Finalmente, parte da estrutura de CA, por ser muito flexível, não era visualizada no modelo cristalográfico, resultando, portanto, na falta de visualização de algumas regiões desta proteína.
Frente a essas limitações do modelo cristalográfico da crotoxina apresentado pelo grupo francês, nós utilizamos os dados obtidos por espectroscopia de fluorescência e os integramos com dados obtidos pela técnica de espalhamento de raios X a baixo ângulo (SAXS), com o intuito de obter um novo modelo estrutural para o complexo crotoxina, assim como de suas subunidades isoladas. A técnica de SAXS é semelhante à técnica de cristalografia de proteínas, com a diferença de que na cristalografia o raio X é incidido sobre a proteína na forma de um cristal, enquanto que na técnica de SAXS o raio X é incidido sobre a proteína em solução (meio aquoso). Desse modo, os dados obtidos por SAXS, apesar de apresentarem uma menor resolução que os dados obtidos por cristalografia, oferecem boas informações sobre o arranjo estrutural de um complexo proteína/proteína, que muitas vezes pode ser distorcido pela cristalografia, já que esta força contatos entre as moléculas de proteína para a formação do cristal, que podem não existir em seu estado biológico.

 

Cobra com chocalho (Crotalus simus), América Central. (©Edogr/Depositphotos)

 

Os dados de SAXS revelaram que, de fato, CB isolada de CA se comporta como um tetrâmero. Além disso, os dados de SAXS também foram capazes de revelar um modelo tridimensional completo de CA. Por fim, com a integração entre os dados de espectroscopia de fluorescência e SAXS obtivemos um novo modelo estrutural da crotoxina. Neste novo modelo, obtivemos a crotoxina também como um heterodímero, sendo formado por uma molécula de CA e uma molécula de CB. As grandes diferenças deste novo modelo estrutural da crotoxina em relação ao modelo cristalográfico do grupo francês são:

i) todos os aminoácidos triptofano estão escondidos na interface CA/CB, como observado por espectroscopia de fluorescência; e

ii) a porção N-terminal, apontada como um dos sítios tóxicos de CB, está exposta ao solvente. Desse modo, baseado nos dados da literatura e no nosso modelo, propusemos um inédito mecanismo de ação para a crotoxina, onde CA carregaria CB até a membrana pré-sináptica, evitando a sua difusão no meio. Em seguida, a porção N-terminal de CB, exposta ao solvente, se ligaria à membrana alvo, e consequentemente, após esta ligação, CA se desligaria de CB, expondo, posteriormente, a porção C-terminal e o sítio ativo de CB à membrana, possibilitando então a expressão da atividade tóxica de CB.

Finalmente, outras técnicas biofísicas utilizadas por nós, como o espalhamento de luz dinâmico (DLS) e a calorimetria de titulação isotérmica (ITC), mostraram que ao se aplicar CA numa amostra de CB, CA é capaz de dissociar o tetrâmero de CB e formar novamente o heterodímero crotoxina com a mesma atividade neurotóxica que o heterodímero nativo, ou seja, antes da separação de suas subunidades.

Esses dados apresentados geraram inéditas e relevantes informações acerca do mecanismo de ação da crotoxina, que era muito pouco entendido pela comunidade científica. Finalmente, sabendo-se que a crotoxina possui várias atividades com potencial aplicação biotecnológica, como atividade anti-inflamatória, analgésica e antitumoral, essas informações enriquecem o conhecimento do funcionamento dessa toxina e poderão auxiliar no desenvolvimentos de novos fármacos com essas atividades baseados na estrutura dessa toxina.

 

Cobra brasileira Lancehead (Bothrops moojeni). (© Junot/Depositphotos)

___________________________

TEXTO: Carlos Fernandes e Marcos Roberto de Mattos Fontes. Ambos do Instituto de Biociências da Unesp de Botucatu.

Deixe uma resposta

*