Sobre sacos e sacolas plásticas

Para ficar clara minha opinião desde o início: sacos e sacolas plásticas são mocinhos e não vilões. Engenheiro de materiais com ênfase em polímeros (plásticos e borrachas), com mestrado, doutorado e livre-docência também em materiais poliméricos, estudei bastante sobre como são especiais sacos e sacolas de plásticos. Como pesquisador, frequentei aterros e cooperativas na busca por amostras para experimentos. Nestes locais é possível ver de perto como o problema não é o plástico e sim quem o usa. Somos o problema, pois sabemos que é muito mais fácil atacar a figura abstrata do “plástico” do que mudar nosso próprio comportamento.

Os filmes plásticos (como são tecnicamente chamados os sacos e sacolas) são materiais extremamente interessantes, úteis e, até certo ponto, indispensáveis nos dias de hoje. Sacos e sacolas plásticas são feitos geralmente de polipropileno (PP) ou polietileno (PE). Polipropileno na forma de filmes é utilizado como invólucro do maço de cigarros, de CDs e DVDs, bem como em embalagens como as de macarrão (o saquinho de PP faz muito barulho ao ser amassado). Outro grande uso do PP é juntamente com o alumínio e/ou poliéster, quando assume a forma de embalagens laminadas e sachês. Já o polietileno pode ser dividido em duas grandes classes: o de alta densidade (PEAD ou HDPE na sigla em inglês) e o de baixa densidade (PEBD ou LDPE na sigla em inglês). Geralmente o PEAD é utilizado na versão opaca, como as tradicionais sacolinhas de supermercado (algumas bem vagabundas, diga-se de passagem). Já o PEBD é um plástico transparente por natureza, usado nas mais diversas embalagens, entre elas as da combinação preferida dos brasileiros: os sacos de arroz e de feijão.

A matéria-prima básica da fabricação dos filmes plásticos é a nafta, uma sobra da indústria do petróleo que, por ser gigantesca, gera sobras baratas e abundantes. Da nafta são fabricados vários produtos (como PE e PP) também em grandes quantidades e preços baixos, principalmente quando comparados com materiais tradicionais, como metais e vidros. Dessa forma, são facilmente adquiridos por indústrias e comércio, os quais os repassam para o consumidor.

Não adiantaria nada o plástico ser abundante e barato se não tivesse utilidade. Propriedades como leveza, impermeabilidade à água, transparência, inércia química (muitos não reagem com solventes, líquidos corpóreos etc.) e resistência mecânica aceitável para determinadas aplicações foram suficientes para que logo substituíssem materiais tradicionais ou que abrissem novos mercados.

Graças a essa ótima relação custo-benefício, os filmes plásticos hoje são abundantes, atuando principalmente na proteção e/ou embalagem, por exemplo, de utensílios medicinais e odontológicos, gêneros alimentícios como frios, carnes etc. Certamente, graças a essas aplicações os filmes plásticos dão uma notável contribuição na melhora das condições de higiene e da expectativa de vida da população. Até no acondicionamento de lixo os filmes plásticos hoje reinam soberanos, após substituir com vantagens as antigas “latas de lixo”, que enferrujavam e eram barulhentas, caras, pesadas e, inclusive, alvos de roubo.
O problema então é o uso dos filmes plásticos em excesso. Em qualquer lugar tudo nos é entregue em sacolas de plástico. Muitos usuários falam que pegam sacolinha para usar como lixo posteriormente e nisso eles estão cobertos de razão. Mesmo tendo essa reutilização nobre, podem ser notados exageros (sacolas somente parcialmente utilizadas), que só existem pois temos à disposição e a custo zero (será?) muitas sacolinhas em casa.

O uso responsável é certamente a melhor forma de aproveitarmos o baixo custo e as boas propriedades do plástico, bem como minimizarmos os impactos ambientais que causamos.
_____________

Deixe uma resposta

*